7 de janeiro de 2019

The rest of us just live here

Editora Walker Books - Capa Erin Fitzsimmons

Eu comecei a ler "The rest of us just live here" e desisti. Era um livro sobre adolescentes, mais uma aventura com jovens mágicos e perseguidos numa cidadezinha no interior dos Estados Unidos. Eu cansei desse tipo de livro, então desisti. Aí chegou um outro momento (tipo férias) que eu queria ler algo leve, e eu resolvi encarar novamente esse livro - e dessa vez cheguei até o final.

Não que seja melhor ou mais interessante do que eu imaginei que seria, mas um mérito há: Patrick Ness realmente usa de auto ironia para colocar uma história dentro da história sobre jovens mágicos e perseguidos. O amigo do personagem principal é um neto de um deus-gato e tem poderes, então isso também é um detalhe inesperado.

Leiturinha fácil e realmente despretensiosa.


4 de janeiro de 2019

Em busca de Watership Down

Editora Planeta - Capa Sophie Eves

"Em busca de Watership Down" entrou na minha lista de leitura por ser um dos livros que aparecem nos 100 preferidos da BBC. Depois eu fiquei sabendo que era uma história sobre coelhos, que um pai contava para as filhas e não fiquei tão animada. (Um dos livros da BBC que também fala sobre animais humanizados era bem chato). Aí comecei a ler, porque vi que já tinha a série no Netflix.

E é espetacular!

No prefácio, o autor conta como gostava de inventar história para as filhas, e ao ler alguns livros tão toscos, achou que poderia fazer melhor, e a filha incentivou com a história dos coelhos. 

E que história!

Eu nunca me envolvi tanto com uma história com animais - humanos são mero coadjuvantes, e todo o contexto que Richard Adams criou: há uma "religião", há mitos, há um passado, as relações comunitárias e extra comunitárias são muito interessantes mesmo, fui surpreendida.

E que surpresa!

Fiquei com vontade de ler para as minhas filhas, fiquei com vontade de assistir a série com elas (após ler o livro), mas acredito que ainda não é o momento certo. Primeiro, porque a menor, com quase 4, não tem tanta concentração para livros sem figuras ainda. Segundo, porque é violento (e essa restrição é mais para assistir a série). Há lutas, derramamento de sangue, alguma tortura. Nada muito longe de filmes de heróis por aí, mas acho que é uma questão sensível para se abordar. 

De qualquer forma, espero que a série ajude a popularizar o livro aqui no Brasil, porque é realmente muito bom!