12 de janeiro de 2018

Matilda

Editora WMF Martins Fontes - Capa Katia Harumi Teresaka

Nos últimos anos, a editora WMF Martins Fontes tem feito o favor de publicar novas edições dos livros de Roald Dahl, muito bonitas, e que está trazendo esse autor para as prateleiras de livrarias no Brasil. A princípio, poucos podem conhecer o nome dele, Roald, não Ronald, filho de noruegueses, criado no país de Gales, mas muitos já viram filmes adaptados de suas obras, como A Fantástica Fábrica de Chocolate, James e o Pêssego Gigante, Matilda, e mais recentemente, O Bom Gigante (há outros, eu sei).

Acontece que eu só fui ler livro dele agora, comecei com "Matilda" e, gente, é demais! Uma escrita gostosa, uma história interessante, personagens muito engraçados. Mesmo se você conhece o filme, que é bem fiel, vale a pena ver ela assim, descrita em palavrinhas, como o autor imaginou.

Quero ler todos, quero ter em casa todos para minhas filhas lerem. Nada como boa literatura infantil!





9 de janeiro de 2018

O Projeto Rosie

Editora Record

Um livrinho bonitinho estilo férias e disponível no unlimited: O Projeto Rosie, de Graeme Simsion. Nesse chick lit, o protagonista é um professor de genética com quase quarenta anos, Don Tillman, tirando o foco da estrutura tradicional desse tipo de livro - que geralmente foca nas meninas. É claro que a Rosie do título também é importante, mas o livro é todo do ponto de vista dele, que tem realmente algum tipo de espectro autista. Ele parece com o Sheldon de Big Bang Theory, mas ele transgride muito mais facilmente suas próprias regras - é a estratégia do autor para mostrar o quanto o personagem está apaixonado, mas ficou parecendo "fácil demais" para mim.

É daqueles livros que não dá vontade de parar de ler, mesmo sabendo o final, mas não é tão cativante a ponto de querer ler a continuação. Aproveitem esse!

3 de janeiro de 2018

Snow Hunters

Editora Simon & Schuster - Capa Christopher Lin
O começo do ano trouxe um livro de autor americano sobre um personagem coreano que emigra para o Brasil. Eu achei a história toda muito curiosa, em que o Yohan encontra pessoas como Peixe, Bia e Santi numa cidade portuária não identificada.

O livro mostra uma visão bem delicada de quem emigra para cá de uma cultura tão diferente, sem se limitar a isso. É a história particular de Yohan, esse homem quieto, que foi prisioneiro de guerra, assume uma alfaiataria, e seu caminho de reconstrução de relacionamentos.

Não é uma história longa (mas confesso que demora um pouco para se familiarizar com o texto), e essa edição digital original, há um comentário do autor sobre o livro no final, o processo de criação da história, e um pouco até de interpretação do texto, o que, para mim, enriqueceu muito a leitura.

"Caçadores de Neve", de Paul Yoon, ganhou um prêmio internacional, mas ainda não foi publicado aqui no Brasil, e acho que dificilmente vai ser.

31 de dezembro de 2017

Top 2017

Ficção

  • The Awakening - Kate Chopin
  • O Caminho Estreito para os Confins do Norte - Richard Flanagan
  • Gone with the wind - Margaret Mitchell
  • Eu receberia as piores notícias dos seus lindos lábios - Marçal Aquino
  • O Tribunal da Quinta-Feira - Michel Laub
  • Landline - Rainbow Rowell
  • Everything I never told you - Celest Ng
  • Lavoura Arcaica - Raduan Nassar

Não Ficção
  • Mulheres Visíveis, Mães Invisíveis - Laura Gutman
  • The Feminine Mistake - Leslie Bennets
Cristãos
  • Encontros com Jesus - Tim Keller
  • Relationships - a mess worth making - Timothy S. Lane e Paul David Tripp



Estatística 2017

Esse ano, dois fatores me ajudaram a ler mais: uma competição amigável com uma amiga (ela ganhou de lavada com mais de 100 livros lidos), e a decisão deliberada de ler ao invés de fazer outras coisas (nominalmente: ver redes sociais e assistir TV). Para mim, isso funcionou tanto pelo fato de ter a satisfação de atingir metas ousadas de leituras, como de usar os livros como distração e entretenimento (sabendo escolher os livros certos para cada momento, claro).

Em números:

- 71 livros lidos
- 21473 páginas (em média, são 59 páginas por dia, e livros de 301 páginas. Gostei dessa nova estatística)
- 12 livros brasileiros
- 47 livros lidos no idioma original (português e inglês)
- 52 livros digitais (dispositivo kindle e aplicativo no celular)
- 40 livros escritos por mulheres (não é algo forçado, eu realmente acabo lendo mais livros de autoras)
- 35 livros em português, 36 livros em inglês (salve promoções da Amazon)
- 52 livros do presente século

Considerando meu histórico de blog:


Esse ano, eu percebi que é muito bom ler livros que já ganharam prêmios (mais do que simplesmente ler uma lista de livros que a população em geral acha bom), então expandi minhas metas para envolver os principais prêmios internacionais (a partir de 1983 somente, e sem limite temporal). Ainda estou pensando se incluo algum prêmio brasileiro ou de língua portuguesa, aceito sugestões.


Olhando assim, eu li muito, mas não muito focada nas metas - espero que 2018 seja melhor para isso.

Com relação a quantidade, eu espero continuar lendo pelo menos 1 livro por semana, o que é bem razoável.

Feliz ano novo cheio de livros para vocês!




30 de dezembro de 2017

Lavoura Arcaica

Editora Companhia das Letras - Capa Ettore Bottini

Poucos conhecem o autor Raduan Nassar - mas quem o conhece, o elogia. Mesmo com o filme de 2001, acredito que poucos tenham lido o texto original da década de 1970 que o inspirou - Lavoura Arcaica. 

O livro não é longo, mas é denso: tanto pela linguagem (um discurso no fluxo do pensamento, com muita imagem figurada), como pelo assunto - um filho pródigo invertido, como o autor explica no final, com segredos bem incômodos e que ainda são tabu (numa época de exposição e caminho para tolerância e aceitação, algo ainda ser tabu quer dizer muito).

Eu fui impactada pelo livro - é algo impressionante e bonito, toda a construção da ideia como a execução, embora, obviamente para quem já leu, é bem difícil de digerir. Consigo entender porque o autor é admirado e pouco conhecido. 

28 de dezembro de 2017

Coração de Tinta

Editora Cia das Letras - Capa Cornelia Funke
Cornelia Funke é alemã e quis escrever um livro para apaixonados por livros - cada capítulo tem uma citação (a maioria de outros livros infantis, muitos clássicos) e a história é sobre personagens que saíram do livro "Coração de Tinta" (igual o título do livro) e vieram para o mundo "real" e algumas pessoas que entraram para dentro do livro - uma troca possível pela leitura involuntariamente mágica de Mortimer (ou Mo ou Língua Encantada).

Pelo que eu li por aí, o livro é infantil (criança mesmo) e continua em uma trilogia - eu diria que é um livro ambicioso (de 450 páginas) para esse público. Mas eu entendo que um livro que você lê na "idade certa" pode torná-lo fã de carteirinha, o que não foi o meu caso.

Eu achei o livro lento: pouca coisa acontece, mas há bastante descrição de paisagem, personagens e bastante diálogo sobre o que está acontecendo, e como os personagens estão com medo ou receosos, e o que pode vir acontecer. Talvez quando as minhas filhas forem mais velhas, eu encare o livro e as continuações, talvez mesmo o filme, mas agora pelo menos eu matei a minha curiosidade sobre esse livro de capa tão bonita que eu sempre vi na parte infantil das livrarias.