30 de junho de 2019

Todos os contos

Editora Rocco

Vejam bem, eu gosto da obra de Clarice Lispector. Acho uma autora inteligentíssima e muito original. Mas, ler o livro "Todos os contos" foi uma jornada cansativa. Os contos da Clarice demandam uma atenção e apertam muitos botões psicológicos, esforço que é muito acima do trivial. A empreitada de reunir todos os contos da Clarice resultou numa jornada longa: 656 páginas.

Eu li então aos poucos, entremeando com outros livros, e talvez essa seja a melhor forma mesmo de apreciar essa autora sem saturar de epifanias e mergulhos internos em pessoas extremamente comuns, assim como nós todos.

A Primeira Pessoa

Editora Companhia das Letras - Capa warrakloureiro

"A primeira pessoa" é o primeiro livro da Ali Smith que eu leio, e deu para perceber que ela foge mesmo do lugar comum. Escrever contos já não é lá muito "mainstream", geralmente são livros curtos, e como dizem por aí, escrever pouco e bem é um desafio bem maior do que escrever histórias longas.

Ela usa de um recurso que eu gosto que é falar com o leitor, se colocar no texto, falar sobre o processo de lembrança e escrita - e assim, as histórias ficam meio ficção, meio auto-biográficas, sem sabermos o quanto é realidade.

As histórias também são de certa forma desconfortáveis, sem um final que resolve tudo que se apresenta. Há reflexões profundas e romance também. Um livro contemporâneo de uma sociedade fluida.

8 de junho de 2019

A Mulher na Cabine 10

Editora Rocco
"A mulher na cabine 10" é um daqueles suspenses modernos do gênero que Gillian Flynn inaugurou - a narradora e personagem principal é uma mulher, com algum problema mental ou vício que a deixa levemente não confiável, e agora ela é a única que pode solucionar o mistério all by herself.

Ruth Ware entrega, mas Gillian Flynn é melhor. Eu achei que ficou bem forçado toda a premissa, uma viagem de luxo num barco, só para convidados. A mulher que não sabe bem o que quer da vida. Muitos convidados em posições suspeitas.

É um bom passatempo, mas não mais que isso.

5 de junho de 2019

Comfort Reading

Eu reli Harry Potter 5, 6 e 7, e também Orgulho e Preconceito como leitura de conforto, aquele momento bom garantido.

Qual é a sua a leitura de conforto?

7 de maio de 2019

Kindred

Editora Headline - Capa Yeti Lambregts

"Kindred" é um livro impressionante, daqueles que mexem com nosso âmago, criam um desconforto. A premissa é simples: uma mulher negra, da década de 70, viaja no tempo de maneira inexplicável e chega a uma fazenda na época da escravidão a ponto de salvar o filho do dono do local, quase se afogando.

Entre idas e vindas, temos o choque cultural de duas épocas, e a questão de sobrevivência, bondade e ódio transbordam pelas páginas e nos fazem perguntar: o que eu faria nesse lugar? E se fosse eu que tivesse de ser submetida a uma condição sub-humana de escravidão? Como isso já existiu no mundo? Como isso continua a existir?

O mundo é realmente mau, e a literatura pode nos sensibilizar para isso de uma maneira especial, ainda mais quando tão bem escrita, mesmo sendo tão fantástica que envolva viagens temporais.


4 de maio de 2019

Garra

Editora Intrínseca

Eu vi uma palestra da Angela Duckworth sobre o seu conceito de "Garra" e achei muito interessante, e coloquei o livro na minha lista de leituras. Esse assunto é o tema da sua vida: "O poder da Paixão e da Perseverança", o que quer dizer que ela, como psicóloga, direcionou sua vida de estudos (pós gradução, doutorado) para levantar dados sobre o que é necessário para suceder na sua área de atuação, e ela identificou esse conceito de "Garra".

Ela própria é um bem sucedido exemplo de Garra, como mostra ter sido agraciada pela bolsa "MacArthur" normalmente dadas para "gênios" em seus campos de estudo.

Este é um dos livros de "auto-ajuda" mais consistentes que eu já li, pois não só apresenta o conceito, as instruções para atingir o conceito, alguns "cases" explicativos, mas também muitas pesquisas científicas que a Angela Duckworth fez ou que usou para endossar sua tese (de que Garra é o "segredo" do sucesso). Sendo cientista, ela explica exatamente a relevância de suas pesquisas, ou o que não tem relevância científica, como "o que é necessário para criar filhos que tenham Garra". Nessa época que muita gente afirma qualquer coisa em se preocupar em mostrar evidências reais, esse livro é um bálsamo racional.

Eu recomendo para todos aqueles que querem aprender mais sobre motivação, como atingir objetivos e também, apesar das limitações científicas, quem quer educar crianças que desempenhem bem o que quiserem fazer.



21 de abril de 2019

A mulher segundo a Bíblia

Editora Cultura Cristã - Capa Lela Design

Eu gosto de ler sobre cristianismo e temas femininos - é uma polêmica pronta nos dias de hoje, e eu acho que informação nunca é demais se o senso crítico estiver ligado.

Rebecca Jones deu um título ousado para seu livro: O Cristianismo oprime as mulheres?, mas a versão brasileira resolveu ir de "A mulher segundo a Bíblia", e talvez esse tenha sido um acerto. Os dois ou três primeiros capítulos discutem um pouco do papel feminino no mundo de hoje e o que é "certo" do ponto de vista cristão. Aí, em certa altura, ela coloca a culpa na vítima (algo como: se a mulher sofre abuso sexual, é porque não tem uma atitude correta, se o marido resolve abandonar a mulher e os filhos, é porque ela quis se dar liberdades), e convenhamos que 2019 não está aí para isso, nem 2005 quando o livro foi publicado, nem em nenhum ano desse planeta.

Quando pediram para Jesus julgar uma mulher adúltera (um "crime" horroroso na época), ele abriu espaço para que cada um percebesse o seu próprio erro e e não fez uma comparação de quem é mais santo, ou discorreu como aquela mulher era pecadora. Ele a perdoou e a liberou para "não pecar mais", ou seja, a todos é dada a oportunidade de fazer o melhor frente a Deus.

Os outros capítulos fazem breves perfis de mulheres citadas na bíblia e o que podemos aprender com cada uma delas, mas, é algo bem rápido e rasteiro. O livro realmente me perdeu no começo e eu só li até o final para ver se algo se aproveitava. Leiam outras coisas.