11 de agosto de 2019

O rei se inclina e mata


Editora Globo Livros - Capa Delfin

O livro "O rei se inclina e mata" tem um título intrigante, e a explicação que a autora Herta Müller dá para essa expressão também é, de certa forma, intrigante. Esse livro não é ficção, mas trata-se mais de um ensaio em que ela comenta suas memórias e vai desenrolando alguns assuntos que lhe povoam a mente.

Temos a infância no interior da Romênia numa vila de cultura alemã. O crescimento num governo totalitário, e a censura de pensamento e as restrições de movimentação. A perda de amigos, o distanciamento da família e a mudança de país e de cultura. A vida na literatura e a literatura como vida. São situações críticas e não usuais para a maioria de nós, assim como a forma da prosa de Herta Müller.

Não achei um livro fácil, e me falta o contexto político da Romênia para entender melhor algumas referências que ela faz e não explica, mas foi possível conhecer um pouco mais do universo particular dessa autora.

2 de agosto de 2019

O Peso do Pássaro Morto

Editora Nós
O livro "O peso do pássaro morto",  de Aline Bei acompanha o fluxo de pensamento da personagem principal em várias idades (essas da capa). No primeiro trecho, ocorre o evento marcante da sua vida, aos 8 anos, e, de certa forma, carrega-se esse peso por todos os outros eventos, embora ocorram outras coisas difíceis também. (E estou sendo vaga porque a forma como se desenrola os eventos é bem interessante, então dar spoilers sobre esse evento estraga de certa forma a construção do texto).

Um ponto a se notar é a abordagem da maternidade, sem aquela aura de santidade que é carregada pela vida e pela arte. Pode parecer grosseiro e dolorido, mas eu acho válido ter retratos diferentes desse mesmo fenômeno.

Por fim, como se trata de fluxo de pensamento, principalmente quando ela tem 8 anos, não me parece muito natural, parece que se busca uma profundidade e uma ingenuidade, ou uma simplicidade, que não combinam entre si. O livro é curto, e a história é original, mas realmente não é um livro que eu possa dizer que gostei muito.

17 de julho de 2019

Ratos e Homens


Editora L&PM

"Ratos e Homens" é um clássico. Assim como "Vinhas da Ira", estamos falando de uma história forte e incrivelmente humana de John Steinbeck, embora muito mais breve. Talvez até pela brevidade, o impacto de mergulhar na vida de dois homens - tão sofridos e tão esperançosos - fica mais forte.

Por livros assim, que eu me surpreendo e me impressiono com o poder da literatura de fazer viver histórias de ficção que poderiam muito bem ser reais, e que mudam um pouco a nossa forma de ver o mundo.

É impossível não ler esse livro e se questionar: o que você faria naquela situação? E, em seguida: eu sou quem eu gostaria de ser?

Não dá para passar incólume.

14 de julho de 2019

A Jane Austen Education

Editora Penguin

Eu amo os livros de Jane Austen. Todos os 6 e os contos reunidos depois. Gostaria muito que ela tivesse escrito mais. No entanto, o livro de William Deresiewick aumentou o meu conhecimento sobre as obras dela, e me fez admira-las ainda mais pela profundidade e perspicácia que ela teve na construção de suas histórias, o que, realmente, me passou desapercebido antes.

Esse livro chama-se "A Jane Austen Education", traduzido como "O que aprendi com Jane Austen - como 6 romances e ensinaram sobre amor, amizade e as coisas que realmente importam" (disponível pela Editora Rocco). O autor estuda literatura e vai permeando sua experiência na faculdade, no mestrado, nesse começo de vida adulta com o que ele percebe de profundo e intencional em cada uma das 6 obras de Jane Austen. 

É incrível como podemos ver o tanto que ela entende da natureza humana e como ela prenunciou uma estrutura social mais moderna naquele cenário inglês interiorano do século XIX. O que importa para um casamento, como fazer e manter amigos, o que é ter caráter e ser realmente bondoso - está tudo ali, e como William Deresiewick percebeu, tudo ainda importa para nós.

Essa leitura mudou minha forma de ver alguns dos livros da Jane Austen (até o que eu menos gosto, Emma, e eu acredito que chegou a hora de reler outros dela), e para mim é uma leitura obrigatória para quem realmente gosta da autora.

6 de julho de 2019

A mensagem

Editora Vida

Embora o subtítulo de "A Mensagem" seja "Bíblia em linguagem contemporânea", não é mais uma tradução da Bíblia com palavras modernas, e é sim uma paráfrase, ou seja, quando alguém usa outras palavras para manter o sentido do que está sendo dito. Só que, com a Bíblia, às vezes há mais de um "sentido" para ser escolhido, e, nessa escolha, o texto é reduzido a uma de suas vertentes.

Vejam bem, algumas passagens me emocionaram como se eu os tivesse lendo pela primeira vez, descortinou-se um sentimento inédito. Ao ir para uma tradução mais fiel, eu pude ver aquele significado ali também, mas não era o que chamava mais atenção, ou o mais óbvio. Assim, eu gostei de ler essa versão da Bíblia, que renova nossa paixão pelas Escrituras e pelo cristianismo, no entanto, essa não é uma Bíblia de estudo, ou para ser usada como referência principal de qualquer teologia cristã séria.

Eu recomendo muito a leitura, e sei que pode funcionar até em momentos de culto, mas sempre deve-se lembrar que se trata de uma versão, e não uma tradução que busca ser fiel ao texto original.

1 de julho de 2019

I know why the caged bird sings

Editora Virago

É impossível não ficar emocionada e impressionada com o começo da história de Maya Angelou, "I know why the caged bird sings" ou "Eu sei porque o pássaro canta na gaiola". Ela vai crescer para se tornar uma artista conceituada, famosa, admirada, mas logo no início dá para ver que é uma garota muito inteligente e muito forte, sem pretensão e sem vitimismo. A narrativa da sua infância é feita de uma maneira distanciada, que nos favorece o assombro por tudo que ela viveu, e cria o amor por essa garotinha.

Eu não quero dar spoilers que você pode encontrar em seu verbete da wikipedia, mas comentar como eu fiquei impressionada de reparar os livros que ela lia. Ainda antes dos dez anos, por exemplo, Um conto de duas cidades (que eu amo!), e muitos outros livros clássicos. Ela e seu irmão eram leitores vorazes, e liam o que estava disponível na escola / na comunidade em que viviam, clássicos. Acredito que a literatura infantil só estivesse começando - e o que existia não deveria estar disponível.

Fiquei imaginando se fazemos certo em postergar tantos clássicos para a vida adulta - se é preciso maturidade para entendê-los e admirá-los, ou se a exposição precoce ajuda na construção da maturidade.

Eu mesma comecei a ler os clássicos na adolescência (em toda época, eles são os mais abundantes em bibliotecas públicas), mas hoje acho que era muito jovem para alguns deles. Talvez o que seja necessário não é idade, mas algum direcionamento. Se o livro é realmente um clássico (como esse já é!), ele tem o seu valor.

30 de junho de 2019

Todos os contos

Editora Rocco

Vejam bem, eu gosto da obra de Clarice Lispector. Acho uma autora inteligentíssima e muito original. Mas, ler o livro "Todos os contos" foi uma jornada cansativa. Os contos da Clarice demandam uma atenção e apertam muitos botões psicológicos, esforço que é muito acima do trivial. A empreitada de reunir todos os contos da Clarice resultou numa jornada longa: 656 páginas.

Eu li então aos poucos, entremeando com outros livros, e talvez essa seja a melhor forma mesmo de apreciar essa autora sem saturar de epifanias e mergulhos internos em pessoas extremamente comuns, assim como nós todos.