24 de dezembro de 2010

Surpreendidos pela Esperança

Esse é um dos livros mais complicados que eu já li, profundo e complexo mesmo. Escrito pelo bispo anglicano N. T. Wright, é sobre o conceito de céu e o que acontece depois da morte. Aliás, mais do que isso, é sobre as implicações na nossa vida hoje da esperança que temos do futuro que nos aguarda.
Eu demorei bastante para terminar de ler esse livro e realmente desisti de tentar explicar qualquer coisa sobre ele logo no começo, então, eu fui marcando trechos para copiar aqui e compartilhar com vocês. Quem estiver interessado, peça emprestado, eu ganhei esse livro num sorteio da Ultimato (revista que eu MUITO recomendo).

"Ao que parece, céu e terra não estão, apesar de tudo, em oposição, nem será preciso separá-los para sempre, quando todos os filhos do céu forem resgatatos dessa terra cruel. Também não podemos dizer que se trata apenas de maneiras diferentes de olhar para a mesma coisa; são diferentes, radicalmente diferentes; no entanto, foram feitos um para o outro, da mesma maneira que o homem e a mulher (é o que sugere o Apocalipse). Quando eles finalmente se unirem, isso será motivo de regozijo, e assim como o casamento, este é um sinal criacional de que o projeto de Deus está se cumprindo; que os opostos na criação foram feitos para a união, não para a competição, que o amor, e não o ódio, tem a última palavra no universo; que a fertilidade, e não a esterelidade; é a vontade de Deus para a criação."

"O poder do evangelho não está na proposta de uma nova espiritualidade ou experiência religiosa, nem na ameaça do fogo do inferno (e certamente não na ameaça de ser "deixado para trás"), que pode ser eliminiada assim que o ouvinte assinalar determinada opção, fizer a oração certa, levantar a mão, ou alguma coisa desse tipo. O poder do evangelho está na poderosa declaração de que Deus é Deus e Jesus é o Senhor; os poderes do mal foram derrotados e o novo mundo de Deus já começou. Essa declaração é mais do que uma maneira de você apreciar a sua vida, suas emoções ou seu saldo bancário. Ela é o fundamento de tudo isso. É claro que, todas as vezes que o evangelho é anunciado, de um jeito ou de outro, no mesmo instante, todas as pessoas são alegremente convidadas a entrar, se juntar à festa e receber perdão pelos pecados cometidos no passado, além de desfrutar um maravilhoso destino no futuro de Deus e de uma vocação no presente. Ao aceitar esse convite e receber as boas-vindas, todas as emoções e esperanças serão, finalmente, integradas."

"Se a igreja realizar obras de justiça (endireitando as coisas na comunidade) e obras de beleza (destacando a glória da criação e a glória a ser revelada), o evangelismo fluirá melhor. A igreja deve mostrar que há um novo mundo, que já começou, e que atua por meio da cura, do perdão, do recomeço e de um novo ânimo. Esse novo mundo se manifesta quando as pessoas adoram o Deus verdadeiro, à imagem do qual elas foram criadas; quando elas seguem o Senhor que levou seus pecados e ressuscitou dentro os mortos; quando são habitadas pelo seu Espírito e recebem uma nova vida, uma nova maneira de viver, um novo entusiasmo pela vida."

E já que é Natal, para pensarmos no sentido completo do Deus conosco Emanuel:

"A Páscoa é a nossa maior festa. Pensando em termos bíblicos, se tirarmos o Natal, perdemos dois capítulos dos Evangelhos de Mateus e de Lucas; nada mais. Porém, se tirarmos a Páscoa, o cristianismo não existiria, e, como Paulo diz, ainda estaríamos nos nossos pecados. Não podemos permitir que o mundo, com seus programas, costumes, eventos pararreligiosos e coelhos da Páscoa fofinhos, nos convença. A Páscoa é o dia mais importante do ano para os cristãos. Deveríamos soltar foguetes."

Que Jesus possa nascer no seu coração e tornar-se Senhor da sua vida, porque Ele morreu e ressuscistou por amor a nós.

2 comentários:

  1. Olá,

    Gostei da mensagem, gostei do blog, inteligente e pontual, viajei em tuas palavras.. Feliz 2011 querida...


    Alê.
    http://homemponto40.blogspot.com/

    ResponderExcluir